quinta-feira, 30 de julho de 2015

Toninho Horta: gênio musical brasileiro - e mundial

Share it Please
foto: Denis Medeiros

Falar um pouco sobre um dos maiores gênios musicais do nosso Brasil. E um dos melhores do mundo também! E, claro, uma das minhas maiores influências.
Antônio Maurício Horta de Melo, o incrível Toninho Horta, que infelizmente não possui o reconhecimento devido em nosso país. Um verdadeiro gênio, um poeta do violão, o maestro das harmonizações mineiras, e um ser humano ímpar.

Além de ser mestre no violão e da guitarra, com suas harmonizações que já encantaram grandes músicos pelo mundo afora (como Pat Metheny, que bebeu descaradamente de suas harmonias), Toninho também é um maestro nato, regendo e arranjando para orquestra. Seus discos tem vários arranjos de banda compostos por ele.
Como Toninho Horta é um cidadão do mundo, fez e faz inúmeras parcerias, seja com letristas, seja com músicos do mundo todo. E inclusive já lançou discos destas parceiras, como com Jack Lee, Flávio Venturini, Nicola Stilo, Eddy Palermo, Arismar do Espírito, Tom Lelis, entre outros.

Sua carreira tomou forma quando gravou nos discos de Milton Nascimento, no início do movimento Clube da Esquina, e daí gravou e tocou com uma imensa lista de músicos do Brasil e do mundo, como Tom Jobim, Elis Regina, Edu Lobo, Bethania, Caymmi, Wayne Shorter, Keith Jarrett, e etc.
E desde então, lançou e relançou vários discos, chegando a montar uma gravadora para facilitar este árduo processo de gravação e distribuição, chamada Terra dos Pássaros.

Mas mesmo com toda esta bagagem, Toninho ainda é uma pessoa simples, acessível, um cara alegre, aberto aos fãs e amigos e sempre antenado e em movimento, fazendo shows pelo mundo afora sem descanso.

Uma historinha pessoal: eu e um amigo, ainda jovens, fomos assistir um show do Toninho e, pouco antes do show começar, encontramos com ele perto do palco, falamos de nossa admiração e ele, simples e humilde, nos perguntou se podíamos vender 2 CDs que ele havia acabado de lançar. Nunca nos viu antes, mas confiou na gente. Ficamos no fundo do estádio oferecendo os CDS, mas infelizmente, ninguém comprou nenhum dos vinte exemplares que ele deixou com a gente. Era um show gratuito, com outros artistas também, e ninguém se interessou em gastar dinheiro com música. Ao final do show, fomos cabisbaixos devolver as duas dezenas de CDs, mas ele, sem tristeza ou reclamação, pegou de volta mas nos deixou um CD pra cada. Exemplo de simplicidade e generosidade.

O Cd que ganhei, From Belo to Seoul (Toninho Horta e Jack Lee), tem obviamente um alto valor emocional e sentimental, bem como o CD 'Quadros Modernos', gravado com outros violonistas mineiros, Chiquito Braga e Juarez Moreira (Cd que Toninho deu para meu amigo Joe).

Entre as centenas de temas incríveis de Toninho, posso citar 'Tardes na Tailândia' como uma de minhas preferidas (na versão instrumental original Afternoons in Thailand).
E outra música muito marcante é o tema 'Uma Profunda Emoção' gravada no disco da Guitar Player, ocasião em que Toninho foi eleito um dos melhores guitarristas/violonistas do Brasil. Com a qual finalizo este pequeno texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Flickr

Blogroll

About