sexta-feira, 29 de maio de 2015

Francis Hime - 1973

Share it Please

Um dos discos mais tristes e belos da nossa música brasileira.

Em 1969, o compositor, cantor, arranjador e pianista Francis Hime foi para Los Angeles estudar música e, quatro anos depois. voltou ao Brasil disposto a seguir definitivamente a carreira artística.
Em 1973, Francis Hime lançou o primeiro álbum de sua carreira, um disco marcante, uma ode musical onde a beleza enlaça a tristeza em arranjos lúgubres, profundos e sofisticados.

O disco, chamado apenas Francis Hime (EMI-Odeon), é conhecido como Atrás da Porta, devido à faixa de abertura e devido à arte da capa. A faixa citada, Atrás da Porta, parceria de Hime com Chico Buarque, teve grande destaque na época, mas o álbum possui outros momentos belíssimos, de chorar.
Como o tema 'À Meia Luz', cuja letra mostro a seguir, e que o próprio Hime regravou com a profunda voz de Ed Motta no disco Álbum Musical 2:

À Meia-luz
(Francis Hime - Ruy Guerra)
E quando eu te disser
No quarto desse hotel
Que foi nos braços dela
À luz da mesma vela
Que eu comecei a ser
O que, desesperada em vão
Tanto buscavas
Eu sei não vais gostar
De me ouvir.

Teus olhos vão gelar
Teus gestos vão fugir
E o teu corpo moreno
Se encolhendo, esmorecendo
E tudo vai girar, gritar
Ficar nos torturando.

E a dor que nos abraça
E o zumbido na vidraça
É tudo o que nos marca
Nos morde, nos assina.

Mas se eu te falo dela
Sem nos poupar
É que ela fez de mim
O homem que te quer
E faz de ti, mulher.

A música instrumental 'Olívia' é dedicada à esposa de Francis, Olívia Hime.
As demais canções trazem na letra momentos de romance com desilusão, e o disco termina de modo apropriado com as faixas repleta de lamentos 'Último Canto' e 'Réquiem'.
Segundo informações do pesquisador Manoel Filho, a quem muito agradecemos, e que nos enviou detalhes do encarte do disco, a magnífica seção de cordas e metais do álbum (contando com quase cinquenta músicos!) foram arranjadas pelo maestro Gerhard Peter Dauelsberg. Os demais arranjos provavelmente sejam do próprio Francis Hime, que toca piano no disco. Os violões ficaram a a cargo de Dori Caymmi e Geraldo Vespar. Sergio Barroso foi o baixista, e o famoso Wilson das Neves cuidou da bateria, que ainda teve apoio dos percussionistas Hermes Contesini, Chico Batera e Dazinho.

E mais agradecimentos ao amigo Manoel Filho, que disponibilizou o álbum na íntegra no Youtube.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Flickr

Blogroll

About