10 discos que fizeram minha cabeça


Vi algumas listas de 10 discos preferidos de várias pessoas, e tentei fazer a minha que, claro, deixa de fora vários discos importantes. Impossível falar dos melhores discos de todos os tempos, pois dez é muito pouco pra listar, então pensei rápido em obras que ‘fizeram a minha cabeça’ quando jovem e escolhi rapidamente, já que essa pequena lista poderia mudar a qualquer momento!

PINK FLOYD – THE DARK SIDE SIDE OF THE MOON
Lembro que ouvia muito este disco, assim como The Wall, na casa do Sidraque, um amigo de escola, em cuja casa eu morei alguns meses, pois meus pais tinham ido embora para o interior.
Já conhecia a banda Pink Floyd do rádio, dos clipes, da famosa música 'Another Brick in the Wall Pt. 2' (na época, era muito famoso o show The Wall de Roger Waters), mas ouvir o disco Dark Side na íntegra foi uma experiência única, que abriu minha cabeça e me fez fã de Gilmour e cia., tanto é que David Gilmour é um dos meus guitarristas prediletos e que toco hoje em um tributo a esta que é a banda que mais gosto. Lembro também de ouvir muito Pink Floyd na casa do meu primo Henrique. Principalmente The Final Cut, The Division Bell e The Delicate Sound of the Thunder.

JIMI HENDRIX – A ARTE DE JIMI HENDRIX
Este disco estava jogado na casa do meu primo Henrique, e era de um tio dele. Ouvi tanto que cheguei a roubar este LP pra mim, e só devolvi alguns bons anos depois. Detalhe que esta coletânea nacional era dupla, mas só tinha restado o primeiro LP.
Hendrix moldou em muito meu gosto por tocar guitarra, e por solos de um modo geral. É uma referência na guitarra, não precisa dizer muito mais.

BLACK SABBATH – BLACK SABBATH
Eu ouvia o disco 4 do Sabbath na casa de uns amigos, e ficávamos tentando tirar na guitarra os riffs de Tony Iommi.
Um tempo depois, comprei num sebo este primeiro disco da banda e chapei! Tanto nos temas sinistros (como a faixa título) como nas músicas mais ‘alegres’ (como Evil Woman). É o disco que influenciou todas as bandas de Black metal, além de abrir caminhos para o trash e heavy metal. Realmente, um disco muito denso e importante.

DEEP PURPLE – MADE IN EUROPE
Gosto demais do Made in Japan, disco que comprei um tempo depois. Mas este Made in Europe virou minha mente quando era bem jovem. Pegava sempre o LP emprestado de algum amigo e tocava-o em casa em altíssimo volume! Poucas músicas, jams longuíssimas, e Coverdale e Hughes cantando MUITO!

DEEP PURPLE – IN ROCK  
Do Purple, 3 discos foram essenciais pra mim. Mas ao invés de citar o Made in Japan, escolho o ‘In Rock’ pela memória afetiva que tenho dele. Ouvia-o na escadaria do prédio em frente ao apartamento de uns amigos músicos. ‘Child in Time’, com os agudos uivantes de Gillan, era hipnotizante. É interessante curtir um disco sozinho, mas é igualmente interessante descobrir e ouvir sons novos em companhia dos amigos, a experiência em grupo é sempre muito ampla, com os comentários e o compartilhamento de informações.

METALLICA – RIDE THE LIGHTNING
Meu pai tinha um bar, onde eu passava o tempo ouvindo música pelo rádio e pelas poucas fitas cassetes disponíveis. Até que um amigo e frequentador do bar me mostrou este disco, e depois gravou-o pra mim, usando uma fitinha de dupla sertaneja. Foi chapante para um adolescente ouvir tamanho peso e agressividade, aliado a belas melodias na guitarra (Fade to Black). Não é o disco mais importante dos caras, mas pra com certeza mim o é.

GUNS N’ ROSES – GNR’ LIES
Ainda na época da escola, tocava muito GNR na rádio, e isso realmente marcou nossa geração. Comprei este disco num sebo, e ficávamos tocando juntos no violão o lado A inteiro. Foi com esse disco que surgiram as primeiras vontades de montar uma banda. Hoje sei que o Guns não tem muita importância no mundo do rock, mas com certeza eles abriram as cabeças de muitos jovens da época que passaram a buscar as coisas clássicas do passado, como Aerosmith, Rolling Stones, Alice Cooper, T. Rex e muitos outros. Pelo menos pra mim foi assim, e ainda é até hoje, buscando as referências e influências dos artistas que gosto.

ERIC CLAPTON – JUST ONE NIGHT
O timbre da guitarra de Clapton neste LP é cortante, incisivo, incrível! É disparado meu álbum preferido dele. Comprei-o também num sebo e ouvia na minha velha vitrolinha... A versão estendida de ‘Cocaine’ (grafada no LP como ‘She Don’t Lie’), contém uma melodia dórica típica da música japonesa, homenageando o povo onde o disco foi gravado. Clapton é também um dos meus guitarristas prediletos, e sua carreira como músico é uma aula de show business.

ERIC CLAPTON – UNPLUGGED
Acho que foi o primeiro LP que eu comprei novo, zero, na loja. Foi no antigo Mappin, no Viaduto do Chá, em SP.
Apesar deste álbum ter vendido muito, ter sido sucesso na rádio, ainda assim é um disco seminal de blues (e pop). E recomendadíssimo.

VAN HALEN – VAN HALEN
Outro disco comprado num sebo, quando eu ainda engatinhava na guitarra, foi muito importante para a visão que tenho da guitarra dentro de uma banda. ‘Eruption’ é um marco! 



Comentários

Postagens mais visitadas