Pedais na hora da gravação: menos é mais?

Recentemente, gravei uma cover para a demo que minha banda está fazendo.
Não pude levar meu amp e gravei com o que havia no estúdio, um Marshall Valvestate 8040.

Como a música era bem pop, com guitarra limpa quase o tempo todo, usei em minha Fender Stratocaster apenas os seguintes pedais:
* Afinador Polytune Mini: além de afinar, mantinha a guitarra muda entre as gravações e conversas com a banda;
* Digitech Bad Monkey: pedal do tipo Tube Screamer que usei para fazer os riffs e as frases cromáticas;
* Proco RAT2: usado para o solo.
* T.C. Electronics Spark Mini Booster: booster de volume usado para empurrar o RAT no solo e para algumas frases clean durante a música.
Cheguei a levar um delay para utilizar no solo, mas como a música tinha uma temática mais simples e direta, resolvi não usa-lo. 
O resto do pedalboard ficou do lado de fora da sala de gravação, pois seriam mais cabos interligando pedais e, consequentemente, mais ruídos e perdas de sinal.
Com isso, consegui uma gravação com mais qualidade, e sem precisar 'me perder' em meio a vários pedais, nem tem que fazer 'sapateado'. Se todos os pedais estivessem à minha disposição naquele momento, iria querer usar um chorus ou um phaser em alguma parte da música, ou outra distorção, mas resolvi ser o mais simples e objetivo possível. Acho que deu certo.



Comentários

Postagens mais visitadas